Ligação estratégica: amarração e sequência em fotolivros

Atualizado: Set 2

Tate Shaw fala sobre estratégias de sequenciamento de fotografias em fotolivros


Tate Shaw


A maneira como as imagens e os textos se unem para formar uma narrativas é fundamental para uma sequência fotográfica. Estou usando a palavra amarração no sentido conceitual, para falar sobre como as imagens se ligam mentalmente umas às outras ou a um texto. A sequência de fotos combina as imagens em uma ordem específica para criar um contexto para a significação a ser deduzida da relação entre as imagens. Também existe uma grande variedade de modos de sequenciamento diferentes, como variações nos estilos de sequência prototípica. Um dos modos que vou destacar aqui amarra o tema das fotografias para criar metáforas. Usarei o livro A (J&L Books, 2011) de Gregory Halpern como um exemplo principal, com o suporte adicional de Raising Frogs for $$$ (The Ice Plant, 2006) de Jason Fulford e The Mushroom Collector (The Soon Institute, 2010). Junto com Halpern, Fulford editou A, e seus próprios métodos ilustram a extremidade oposta do espectro de amarração de imagens do tema em uma sequência fotográfica.


A (J&L Books, 2011), Gregory Halpern

Para ilustrar a amarração, considere uma página inicial de A onde à esquerda você tem uma bétula, cheia de nódulos e torcida sobre si mesma; à direita, o retrato de um homem ruivo com olhos azuis claros. A amarração obriga o leitor a dar uma identidade única predominante às duas imagens e reconhecê-las como um todo. É necessário um salto narrativo para ver as duas imagens como uma única entidade. Para formar um desfecho, pensamos em por que elas estão juntas, embora esse processo de pensamento possa não ser totalmente consciente. Para mim, a árvore nodosa é o estado de espírito do homem ruivo, uma metáfora de como ele vê o mundo. A metáfora expressa uma ideia complexa fazendo uma comparação de uma coisa com a outra para representar mais claramente o irrepresentável. Amarrar o tema nessas duas imagens distintas torna-se uma maneira do fotógrafo exteriorizar aquilo que é interior.


A (J&L Books, 2011), Gregory Halpern.

A amarração das imagens é uma ficção que o autor cria fazendo com que uma fotografia siga a outra em uma sequência. A força da ficção é que ela é irreal, mas ainda assim existe no mundo para revelar algo sobre ele. Parte da leitura de uma ficção é esquecer que você está fazendo isso. Você tem que ver inconscientemente através da tinta na página para experimentar uma consciência crescente fora do que está realmente ali. Um grande motivo para reler fotolivros é a recompensa de experimentar aquela sensação mais uma vez, e de perceber conexões novas e modificadas entre as imagens. Depois de ver como os fotolivros usam a sequência para combinar espaço e tempo por meio da memória, as possibilidades da leitura tornam-se realmente amplas.


Por exemplo, A pode ser lido como um comentário pós-industrial sobre a pequena cidade americana do Rust Belt - lugares como a cidade natal de Halpern, Buffalo, Nova York. Começa na capa com uma foto de mãos segurando um raio-x mostrando uma lesão. Com a memória do raio-x em sua mente, você então lida com mapas sobrepostos e invertidos, sugerindo uma excursão por várias cidades machucadas e deterioradas. A próxima fotografia do livro é um gatinho desconjuntado miando em alerta, seguido por um portão quebrado e um portal coberto de mato; em seguida, um caco de vidro cintilante em um leito de terra rochosa. O gato é um guardião diante do portão de um jardim urbano em ruínas. Este modo de sequenciar é uma linguagem visual e lírica. Um lote onde uma casa foi demolida, seguida por uma casa com um buraco na lateral, depois outra casa remendada, depois um arbusto onde poderíamos nos esconder, como num forte. Trata-se de nossa necessidade básica de abrigo. Essas fotos representam a crise imobiliária, a grande recessão, a praga no centro urbano de nossas pequenas cidades.


Vemos uma casa perdida em um incêndio; um homem sentado em uma escada próxima, nu e sozinho; a silhueta de um casal sob uma árvore ao crepúsculo; em seguida, um casal afro-americano se ajeitando para a câmera - Adão e Eva. A próxima abertura faz referência ao Jardim do Éden à esquerda, a árvore do conhecimento à direita; a seguir está o anjo caído Satanás na forma de uma cobra. Uma seção posterior alude ao Paraíso Perdido de Milton ou a um conto homérico de Ulisses. Uma mão enluvada de preto segura um colar de pérolas, pagamento para cruzar o rio Styx para o submundo; uma garrafa preta com flores mortas em uma floresta moribunda; um bando de corvos em uma árvore; a figura da morte vestida com um moletom. A morte nos liga a uma vista que contempla as casas da cidade, depois um túmulo e ossos de um ponto de vista semelhante. E assim, unindo o tema de diferentes imagens, Halpern e Fulford empregam grande habilidade retórica ao atualizar contos clássicos da queda dos humanos para expor nossa arrogância e expulsão daquele antigo paraíso que era a cidade operária americana.





Fulford levou esse modo de amarração ao seu fim lógico, combinando imagens para seu próprio proveito em Raising Frogs for $$$. A capa afirma ser um manual bizarro, e virtualmente nada dentro dele se conecta ao título. Com essa estrutura idiossincrática, Fulford desafia a expectativa e abre caminhos para uma descoberta original. Fulford depende de non sequiturs, que em latim significa “isso não se liga”, mas as imagens seguem, em sequência, e fazemos relações, por mais absurdas que sejam. Este tipo de jogo de imagem é quase impossível de explicar verbalmente e, além disso, você não quer justificá-lo assim como ninguém quer explicar uma piada.


O livro mais recente de Fulford, The Mushroom Collector, adiciona várias outras dimensões ao incluir uma série de fotos de apropriação sobre cogumelos, assim como como o texto. As imagens de cogumelos que acompanham o livro oferecem distração, bem como uma estranha sensação de espanto. Os textos são micro-ficções que criam pequenas narrativas na mente, da mesma forma que se imagina que os próprios cogumelos surgem quase da noite para o dia. Os cogumelos são uma metáfora para pensamentos e conceitos relacionados com a fotografia; eles filtram o que se vê do mundo. O único texto sem imagem no livro diz: “Onde terminam os cogumelos e eu começo?” E esta é uma analogia tão boa quanto qualquer outra para a amarração de imagens e sequência em fotolivros. Um livro é algo real que podemos tocar, sentir e encenar virando as páginas. Nossos próprios pensamentos são permeados de novas idéias à medida que folheamos o livro, amarrando imagens e textos uns aos outros e às nossas próprias imagens mentais e sensações. Nosso pensamento não está separado da coisa que está sendo pensada. A amarração de imagens em sequências fotográficas forma um todo que também inclui a parte pensante.

• Texto originalmente publicado no The Photobook Review, Spring 2012, p. 4.

Tate Shaw é diretor do Visual Studies Workshop, Rochester, Nova York (www.vsw.org), uma organização sem fins lucrativos que apóia fotografia, livros e filme/vídeo com um programa MFA credenciado em estudos visuais. Shaw rotineiramente organiza exposições e palestras sobre livros, incluindo o Photo-Bookworks Symposium na VSW, de 28 a 30 de junho de 2012. Ele é co-editor da Preacher’s Biscuit Books e seu próprio trabalho faz parte de muitas coleções públicas e privadas de livros de artista internacionalmente.


Texto original:

Sequencing
.pdf
Download PDF • 311KB

310 visualizações

Fotografia | Política | História | Educação | Cursos

  • Instagram
  • Twitter Classic